Tarso acusa tucanos de ´empobrecerem´ processo eleitoral

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse nesta terça-feira, 05, que o PSDB e o candidato tucano à Presidência, Geraldo Alckmin, "empobrecem" o processo eleitoral ao retomar antigas acusações de corrupção contra o governo. "Se na semana que vem estivermos mais ou menos na mesma situação, acho que a situação do Alckmin ficará ainda mais desesperadora", afirmou Tarso.Em entrevista no Palácio do Planalto, Tarso tentou desqualificar declaração do ex-governador de Goiás e candidato ao Senado pelo PSDB, Marconi Perillo, dita no dia anterior, dizendo que Lula foi informado sobre o esquema do mensalão. Perillo, desta vez, disse que o presidente teria dito a ele numa visita à cidade goiana de Rio Verde: "Cuide dos seus deputados que eu cuido dos meus". "É mais uma versão", rebateu o ministro. "Marconi Perillo está apoiando Alckmin."Na avaliação de Tarso, Alckmin estaria enfrentando dificuldades na campanha por não saber se deve defender ou não o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Ele (Alckmin) se espelha ou não no modelo de Fernando Henrique?", provocou. "Quer ou não o apoio do ex-presidente?"Ao comentar sobre o ministério de um eventual segundo governo Lula, o ministro disse que o presidente escolherá pessoas que representem os "melhores quadros" dos partidos da base de apoio. "Ele (Lula) pretende formar um governo de coalizão, com partidos que tenham condições de enquadrar no bom sentido a sua base parlamentar para dar apoio ao governo", disse o ministro.Tarso se esquivou ao ser questionado se o presidente iria exigir "ficha limpa" dos indicados para o ministério. "Ficha limpa é você quem está dizendo", afirmou o ministro a um repórter. Também evitou comentar se Newton Cardoso e Jader Barbalho, peemedebistas que já foram citados em casos de corrupção, teriam cargos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.