Tarso defende cautela do governo ao se manifestar sobre TAM

O ministro da Justiça, Tarso Genro, saiu em defesa do posicionamento do governo após o acidente com o Airbus A-320 da TAM, na terça-feira, 17, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Segundo ele, o governo não foi moroso, mas cauteloso, para se manifestar sobre a tragédia. "O presidente tomou o cuidado de pedir informações preliminares porque, ao falar, estará calcado em fatos e informações concretas", comentou, nesta sexta-feira, 20, ao sair de uma reunião de apresentação do Programa Nacional de Segurança Pública (Pronasci) a prefeitos na sede da Polícia Federal no Rio Grande do Sul. "O governo tem autoridade e vai dar respostas para a crise", sustentou.   Para justificar a cautela do governo, Tarso lembrou que parte das informações divulgadas pela imprensa logo depois do acidente não tinham nexo com a realidade. "Hoje a situação está mais esclarecida", disse, numa provável referência às informações de que o avião teria algum problema. Apesar disso, o ministro reconheceu que mesmo que novas informações comecem a esclarecer o acidente, não há como tirar a gravidade da tragédia e nem a visibilidade que tem que ter a crise aérea do País. As referências que Tarso fez ao acidente e à crise aérea foram breves.   O ministro se recusou a falar sobre o gesto obsceno do assessor Marco Aurélio Garcia, divulgado pelo Jornal da Globo, da TV Globo. Na imagem, ele aparecem comemorando a informação de que o acidente com o avião da TAM fora provocado por falha mecânica. "Isso já foi explicado pelos envolvidos e não é de minha competência como ministro da Justiça", esquivou-se.   Tarso também se recusou a falar sobre o que foi discutido na reunião de coordenação de governo, da qual participou, na quinta-feira. "Não informou sobre assuntos que não são de minha competência", repetiu, diante da insistência dos jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.