Tarso diz que Mercosul é prioridade externa de Lula

Em entrevista exclusiva ao jornal Clarín, o ministro de Relações Institucionais, Tarso Genro, afirma que "não há possibilidade" de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mude o tom de sua política exterior, com uma aproximação dos Estados Unidos e certo distanciamento da América do Sul. "A política externa do governo Lula está consolidada e tem como prioridade o Mercosul e América do Sul", afirma Tarso, completando que "não existe a menor intenção de ir à Alca que, para nós, não representa outra coisa senão uma reserva de mercado para os Estados Unidos". Tarso insiste que "a decisão do presidente do Brasil é aproximar-se ainda mais da Argentina, Uruguai e Paraguai, e assim consolidar a unidade regional".Indagado se o governo vai fazer alianças com a oposição para garantir a governabilidade, o ministro declarou: "Vamos constituir um governo de coalizão com o centro democrático. E com a centro-direita democrática, como o PSDB, vamos negociar temas de interesse mútuo como a reforma política, mas não haverá um governo de unidade nacional porque esse tipo de alternativa só se justifica diante de uma emergência. E este não é o caso".Tarso disse que o eixo da coalizão será o Partido dos Trabalhadores, o Partido Socialista Brasileiro e o Partido Comunista do Brasil. "E vamos abrir ao centro para incorporar o Partido do Movimento Democrático Brasileiro e também o Partido Democrático Trabalhista". Segundo ele, o projeto de coalizão "implica em dar prioridade máxima ao crescimento da economia" e que em 2007, o Brasil deverá "crescer 5%".O ministro também acusou o PFL de ser o único interessado em desestabilizar o governo porque representa "os setores mais oligárquicos e atrasados desse partido, os quais não têm nenhuma representatividade social". Indagado sobre uma mudança de nomes na pasta da Fazenda, Tarso disse que "não vê nenhuma mudança dessa natureza, sobretudo porque o ministro (Guido Mantega) representa a transição entre um modelo ortodoxo e recessivo, que ao princípio foi necessário, à um modelo onde predomina o desenvolvimento. Frei BetoFrei Betto, ex-membro do Governo Lula, afirmou que o governo vai iniciar uma nova etapa social com a reeleição de Lula. Também em entrevista ao jornal Clarín, Frei Betto elogiou as políticas sociais implantadas no primeiro mandato de Lula, como a Bolsa Família e o programa ProUni. Mas também voltou a criticar o governo ao dizer que "o poder subiu à cabeça de alguns líderes do PT e a política econômica se mantém conservadora, neoliberal".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.