Tasso diz que Bastos pode estar sendo ´cúmplice de um crime´

O presidente do PSDB, Tasso Jereissati, disse nesta quinta-feira, após reunião com o presidente do Banco Central, Henrique Meireles, que, se o ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, não responder, ainda nesta quinta, por qual motivo o BC não foi acionado para ajudar a identificar a origem do dinheiro que seria usado para compra do dossiê Vedoin, estará sendo "cúmplice de um crime".Ele poupou, no entanto, o Banco Central. Disse que o BC não é suspeito "porque está correto, porque tem obrigação do sigilo bancário e não foi instado pela Polícia Federal e pelo Ministério da Justiça". "Ele (Meirelles) foi bastante claro e honesto ao dizer que o BC tem condições de dar todas as informações, mas, como não foi instado judicialmente, não pode dizer nada", afirmou.Nem a Polícia Federal nem o Ministério da Justiça pediram ajuda ao Banco Central para solucionar a origem do dinheiro. Segundo o senador tucano Tasso Jereissati, essa foi a informação que Meirelles lhe transmitiu em encontro realizado na manhã desta quinta-feira, 28, na sede do BC, em Brasília. "O presidente do BC nos informou que nunca foi solicitado nada ao BC, nem pela Polícia Federal nem pelo Ministério da Justiça".Questão eleitoreiraTasso disse que a Polícia Federal já sabe qual a origem do dinheiro e, segundo ele, por razões eleitorais, está sendo constrangida a não informar."É estranhíssimo que a Polícia Federal não tenha pedido ajuda ao BC para solucionar esse caso, o que nos leva a crer que a Polícia Federal sabe (a origem do dinheiro) e, por alguma razão, está sendo constrangida a não informar. A minha razão é a questão eleitoral". Segundo Tasso, Meirelles informou que só pode fazer uma investigação se houver pedido judicial. "O normal seria que a Polícia Federal pedisse ao juiz. Como a PF não fez o pedido, ele (Meirelles) não pode fazer a investigação", afirmou o senador tucano.O tucano acrescentou ainda que o BC não tem condições de afirmar se os dólares que seriam usados como parte do pagamento do dossiê são legais ou não, porque todas as investigações estão sendo conduzidas pela PF, sem nenhuma articulação com o Banco Central.Tasso adiantou que o PSDB vai avaliar quais medidas podem ser tomadas, agora que tem a informação de que o BC não foi acionado para descobrir a origem do dinheiro.

Agencia Estado,

28 de setembro de 2006 | 11h33

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.