Tasso vai exigir inclusão de Alckmin nas campanhas do PSDB

O presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), vai exigir a vinculação do nome do tucano Geraldo Alckmin nas campanhas estaduais dos candidatos de seu partido, que continuam sem mencionar o nome do presidenciável na propaganda eleitoral gratuito exibida na televisão. "Isso é um desleixo das campanhas estaduais. Vamos fazer uma interferência direta e dura nos diretórios estaduais", afirmou.Ele disse que muitos parlamentares já estão pedindo votos para Alckmin. Com o objetivo de eliminar esses problemas e impulsionar a campanha, os coordenadores e dirigentes partidários vão passar a próxima semana em seus Estados. Apesar do esforço para agregar votos e levar a disputa ao segundo turno, Tasso preferiu minimizar as brigas internas entre PSDB e PFL sobre a condução da campanha. O principal motivo dos atritos é o tom do programa eleitoral, uma vez que alguns pefelistas defendem ataques diretos ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Tem tititi de 3 ou 4 do PFL que têm estilos diferentes. Ninguém pode impor nada", enfatizou.Tasso incluiu o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) como um dos que cobram um discurso mais contundente de Alckmin. "Está tudo tranqüilo. Não vou impor que Alckmin fale como ACM nem que ACM fale como Alckmin", completou. Mesmo considerando que cada um tem estilo próprio de fazer campanha, o dirigente do PSDB - que na quinta-feira fez uma avaliação da situação de Alckmin com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - afirmou que o candidato do PSDB ao Planalto manterá a estratégia que traçou com o setor de marketing para o programa na TV. "O programa será feito no estilo do candidato", afirmou o senador, que a multa de R$ 900 mil que a justiça eleitoral impôs a Lula por propaganda eleitoral fora de época "é resultado da falta de respeito ao dinheiro público".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.