Tatto diz que secretaria não é avalista de ninguém

O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, disse nesta quarta-feira, após reunião com a prefeita Marta Suplicy (PT), que, "em tese", não há problema de a SPTrans repassar o dinheiro - que é do próprio empresário - para pagar empréstimos feitos pelo grupo em bancos ligados à Prefeitura."Se não houver prejuízo ao dinheiro público e facilitar a situação do sistema, não tem por que não fazer, mas não vamos ser os avalistas de ninguém", disse Tatto. "E não vamos atrás de juros menores (para os empresários emprestarem o dinheiro)."Entretanto, durante a mesma entrevista, Tatto se contradisse e afirmou que a responsabilidade pelo 13º salário dos motoristas e cobradores da cidade é de responsabilidade exclusiva das empresas. "A Prefeitura não vai interferir no pagamento do 13º. A responsabilidade de pagá-lo não é nossa, mas das empresas?, afirmou o secretário. "O regime capitalista é isso: você assume riscos."De acordo com Tatto, a possibilidade de haver aumento de tarifa no Grande ABC na próxima semana não vai interferir em São Paulo. "A Prefeitura vai se posicionar no momento em que verificar as planilhas e, achando que a reivindicação dos empresários é justa, poderá aumentar a tarifa", disse. Entretanto, ele ratificou que o anúncio da nova tarifa da cidade não será feito na próxima semana. "Em tese, pode ser até no ano que vem."O secretário também afirmou que o estudo que está sendo feito pela Secretaria leva em conta apenas o novo valor da passagem e que o subsídios às empresas está totalmente descartado. "O subsídio para as empresas não está sendo levado em consideração", disse Tatto.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2002 | 20h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.