Tatto diz que tucanos tentam dividir prejuízo

O ex-secretário de Transportes de São Paulo na gestão Marta Suplicy (PT), Jilmar Tatto, afirmou hoje que membros do PSDB passaram a tentar envolver o PT nos ataques do PCC para não serem os únicos prejudicados pela crise da segurança paulista. Em nota, o partido também avisou que entrará na Justiça com uma ?notícia-crime? contra o presidente do PFL, Jorge Bornhausen, e contra o ex-prefeito José Serra (PSDB).?O PSDB no Estado de São Paulo perdeu o controle da situação da segurança pública. Toda propaganda deles é em cima de que eles são bons gestores, e essa crise na segurança coloca em xeque esse discurso?, afirmou Tatto.Para o PT, ?são irresponsáveis as declarações lançadas? por Serra e Bornhausen. Tatto, que era o secretário de Transportes do PT em São Paulo, ao qual Serra fez menções hoje por supostas ligações com o PCC, disse que a crise na segurança ?tem provocado um desgaste muito grande para o PSDB?. ?Agora querem envolver o PT para não ficarem amargando sozinhos esse desgaste?, disse o petista que é também o terceiro vice-presidente nacional do partido.Ele foi mencionado indiretamente por Serra por ter tido a prisão pedida pela polícia de Santo André, por suposta ligação com o PCC. O petista foi acusado pelo dirigente da cooperativa de perueiros Cooper Pam, Luiz Carlos Efigênio Pacheco, o Pandora, de ter pedido a inclusão de integrantes de uma outra cooperativa, a Transmetro - ligada a membros do PCC -, em seu grupo.O ex-secretário afirmou ainda considerar que, tecnicamente, está descartada sua ligação com o caso. ?Dois juízes, dois promotores, o Dipo (Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária) não acataram o pedido de prisão feito pelo delegado?, diz o petista. Ele disse que, como secretário, foi vítima desses grupos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.