Tatto suspende contratos de emergência com empresas de ônibus

O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, anunciou esta manhã que não fará novos contratos de emergência com as empresas de ônibus da capital. A cidade só terá novos contratos quando for concluída a licitação para concessão do sistema de transporte, suspensa esta manhã pelo próprio secretário. A licitação está sob suspeita de irregularidades depois que o Tribunal de Contas do Município (TCM) divulgou parecer na semana passada. Na prática, isso significa que nos próximos meses São Paulo não terá um sistema de ônibus oficial e os mais de 10 mil veículos do sistema vão circular clandestinamente. Tatto está reunido com representantes do sindicato dos empresários, o Transurb, para chegar a uma solução sobre o impasse que levou os motoristas e cobradores a entrarem em greve, deixando a população sem ônibus desde a madrugada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.