Tatuar nome dos filhos vira moda em NY

Mães que antes eram contrárias à tatuagem agora aderem à mania, assim como escolas e programas de TV

Anna Jane Grossman, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

Laura Scarborough, enfermeira de um berçário na Califórnia, faria qualquer coisa por seus cinco filhos, que têm entre 5 e 20 anos de idade. Mas achou demais quando eles pediram para ela mostrar um dos seios aos amigos. O pedido tinha razão: uma tatuagem de uma polegada de largura. "Sempre achei que tatuagem era coisa de roqueira e nunca faria uma", disse Laura. Mas ela mudou de idéia quando adotou Daniel, um bebê prematuro de quatro meses, e tatuou a impressão da planta de seus pés. "Queria algo que simbolizasse minha relação com ele e o que passamos juntos."Pamela Miller McGrath, de 35 anos, advogada divorciada da Pensilvânia, também achava que tatuagem era algo sem classe. Até que nasceu seu filho e ela também mudou de idéia. Uma geração atrás, dificilmente mães e tatuagens coexistiam em qualquer outro lugar além do bíceps de um marinheiro. Mas hoje as mulheres que conseguiram escapar de seus 20 anos sem um golfinho adornando o tornozelo encontraram uma razão para se submeterem às agulhas. Estão se tatuando para seus filhos.Mary Kosut, professora de sociologia e mídia do Purchase College, na Universidade Estadual de Nova York, observa como as tatuagens em alguns lugares hoje são uma declaração de valores familiares. "É uma maneira de demonstrar que você está se divertindo, mas, ao mesmo tempo, está fazendo alguma coisa que é completamente segura e socialmente aceitável", explica.Mães com lembranças tatuadas dos pés dos filhos quando bebês podem ser a fronteira final de uma forma de arte que, há apenas algumas décadas, migrou dos navios e prisões para escolas privadas e programas de TV a cabo - rejeitando a idéia de que tatuagem tem a ver com contracultura.Dois "reality shows" podem ajudar a levantar as razões pelas quais mães que sempre se acharam conservadoras agora estão decorando seus corpos. As séries Miami Ink e LA Ink, do Learning Chanell, são exibidas em uma rede de TV que antes era mais conhecida pelos seus programas devotados ao lar e à moda. "Muitas mulheres assistem àquelas séries e pensam ?ora, eu poderia fazer isso?", disse Mike Rubendall, proprietário da Kings Avenue Tattoo, em North Massapequa, Nova York. "Elas imaginam que seu filho sempre será a sua criança. E não se arrependerão disso."MUDANÇAQuarenta por cento das mulheres entre 26 e 40 anos têm pelo menos uma tatuagem, segundo relatório publicado neste ano pela Pew Research Center. Embora não haja estatísticas sobre o número de mães que estão em sua primeira tatuagem, a maioria dos tatuadores entrevistados diz que tatuar a imagem do filho pelas mulheres hoje é muito mais comum do que tatuar um coração com a palavra "mamãe" dentro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.