Tatuí cria patrulha para combater roubos na zona rural

A prefeitura de Tatuí, na região de Sorocaba, decidiu criar um serviço de patrulhamento preventivo na zona rural para diminuir os assaltos a chácaras, sítios e haras no município. Nos últimos 60 dias foram registrados 7 assaltos a essas propriedades, além de um grande número de furtos de equipamentos agrícolas. O prefeito Ademir Borssato (PTB) assina sexta-feira um convênio com o Sindicato Rural de Tatuí, que vai doar os primeiros veículos a serem usados no policiamento: uma caminhonete cabine dupla com tração nas 4 rodas e uma motocicleta. Os veículos receberam equipamentos de sinalização, rádio e telefone celular. Segundo o presidente do sindicato, Saladino Simões de Almeida, o investimento será compensador se resultar numa diminuição dos altos índices de criminalidade registrados na zona rural nos últimos meses. De acordo com o prefeito, a patrulha será integrada por guardas municipais, pois o efetivo da Polícia Militar no município é pequeno. "A cidade, com 93 mil habitantes, possui algo em torno de 60 policiais militares, um contingente inferior ao necessário." A Polícia Civil investiga a ação de quadrilhas bem articuladas na zona rural. Segundo o delegado Marcelo Murat, o líder de uma das quadrilhas, Jaeser de Moura, foi morto a tiros no mês passado por um caseiro quando tentava roubar uma fazenda em Itapetininga, cidade da região. Mesmo assim, os crimes não cessaram. O delegado informou que os assaltos praticados na zona rural seguem o mesmo esquema de ação. "Em todos, os integrantes da quadrilha, que são entre 6 e 12 pessoas, agem com capuz e armados". A Guarda Civil Municipal de Tatuí tem 105 integrantes. Foi criado recentemente um pelotão feminino com 7 guardas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.