Tatuzão que cavará túneis do Metrô começa a ser montado

O tatuzão ou shield, equipamento de 1.800 toneladas capaz de escavar 14 metros de túnel de Metrô por dia, começará a ser montado durante este mês. O equipamento, atualmente no canteiro de obras do Consórcio Via Amarela, próximo ao Parque Villa Lobos, na zona oeste de São Paulo, passará por um processo de pré-montagem para formar 13 peças grandes que serão levadas para a montagem definitiva desta máquina no poço de obras da futura Estação Faria Lima, no Largo da Batata, assim que a laje de fundo da estação estiver concluída, na segunda quinzena deste mês.Na montagem final, a cabeça de corte, com 9,50 metros de diâmetro, e os motores, que pesam 105 toneladas, serão acoplados à cauda, ao backup e à esteira rolante, partes que compõem a máquina.As últimas seis carretas contendo as partes maiores do equipamento chegaram à meia-noite do último dia 31 de agosto ao canteiro de obras do Consórcio que é responsável pela execução da obra. As partes do equipamento fizeram parte do comboio de 23 carretas que trouxeram mais de 900 toneladas da máquina do Porto de Santos, após viagem iniciada na Alemanha em julho.Enquanto escava os túneis da Linha 4 no trecho entre as estações Faria Lima e Luz, o tatuzão instalará os anéis de revestimento de concreto, deixando os túneis prontos para a montagem dos trilhos e implantação da sinalização, que possibilitarão a movimentação dos trens em 2008.Para fazer o revestimento dos 6,4 quilômetros em 15 meses que serão perfurados pelo shield, cerca de 4.500 anéis de concreto, com 30 toneladas cada, vão ser utilizados. Esses anéis são divididos em oito segmentos e aparafusados entre si, no local.No canteiro de obras do Consórcio Via Amarela está sendo montada uma fábrica dos anéis de concreto, onde 36 formas, importadas da Itália, vão produzir 90 segmentos, ou 10 anéis de revestimento por dia. Os segmentos serão feitos em concreto reforçado com fibras de aço e a secagem das peças será em câmaras a vapor, em alta temperatura, para evitar deformações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.