Taxa de lixo em Sorocaba pode aumentar 18%

A prefeitura de Sorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo, propôs um aumento de 18,27% na taxa de remoção do lixo urbano. O projeto de lei está em análise na Câmara de Vereadores. Também foi proposto um reajuste de 13,60% nas demais taxas de serviços públicos, como a de manutenção de ruas e iluminação pública.Elas são cobradas junto com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), uma das principais receitas da prefeitura. A coleta de lixo é feita por uma única empresa, a ECP Limpeza Urbana, que recolhe na cidade cerca de 400 toneladas por dia, depositadas no aterro sanitário.O vereador Paulo Francisco Mendes (PMDB) diz que o aumento está muito acima da inflação anual, estimada entre 6% e 7%. Para ele, o reajuste de tarifas públicas acima da inflação produz impacto negativo sobre os salários, que não sobem na mesma proporção.O prefeito Renato Amary (PSDB) argumenta que a atualização do valor destina-se a cobrir uma defasagem de 13% registrada entre novembro de 2000 e agosto de 2002, período em que a taxa ficou congelada.Vai cobrir também o aumento de custos, como o dos combustíveis, que subiram além da inflação. O projeto, que estava na pauta de votação da Câmara, foi retirado por duas sessões para novos estudos. Os vereadores pediram à prefeitura informações mais detalhadas sobre as propostas.O prefeito tem a maioria no Legislativo e deve ser votado na quinta-feira da semana que vem. Segundo a vereadora Tânia Bacelli (PT), o projeto menciona serviços de tratamento do lixo que não são realizados, pois o material é depositado in natura no aterro.O prefeito mencionou investimentos realizados na melhora da coleta, entre eles a adoção de um sistema de contêineres para a deposição do lixo ensacado nas residências.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.