Taxa de mortalidade infantil cai 7,9% em São Paulo

A taxa de mortalidade infantil na cidade de São Paulo diminuiu 7,9%, em 2005, ficando em 12,9 óbitos de menores de 1 ano por mil nascidos vivos, segundo dados divulgados nesta manhã pelo fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade). O índice ficou abaixo da média em 60 distritos da capital, sendo que 26 registraram taxa inferior a 10 óbitos por mil. Apesar da queda na média, 21 distritos da cidade tiveram aumento da taxa. São eles: Água Rasa, Anhangabaú, Aricanduva, Butantã, Cambuci, Carrão, Cidade Líder, Ermelino Matarazzo, Guaianazes, Jardim Helena, José Bonifácio, Lajeado, Pedreira, Penha, Perdizes, República, Santa Cecília, Sacomã, Santa Cecília, Santo Amaro.Em todo o Estado, a taxa foi de 13,5, também menor que 2004, quando a taxa foi de 14,3, numa diminuição de 5,6%. A maior taxa foi registrada na região de Araçatuba, com 19,5 mortos por mil, praticamente o dobro da taxa da região de Barretos, que teve 9,8, a menor do Estado. O distrito com o menor índice de mortalidade infantil na capital é a Vila Leopoldina, com 2,2 óbitos por mil nascidos vivos. Já as maiores taxas foram registradas nos bairros Parque do Carmo, 21,7; Brás, 21,5; e Ipiranga, 20,5. A Prefeitura acredita que o valor é decorrente do elevando número de imigrantes ilegais nestas regiões que, por medo de serem identificados, não procuram os hospitais para realização do pré-natal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.