Taxista rejeita proposta de aumento da Prefeitura

O Sindicato dos Taxistas de São Paulo não vai aceitar a proposta de reajuste da tarifa por quilômetro rodado apresentada pela Prefeitura.Embora não fale explicitamente em greve, o presidente da entidade, Natalício Bezerra, garantiu que a categoria será mobilizada e não descarta a hipótese de paralisação.A prefeita Marta Suplicy autorizou o índice de 12,78%, aumentando o preço de R$ 1,02 para R$ 1,15.Segundo o diretor do Departamento de Transportes Públicos (DTP) da Secretaria Municipal de Transportes, Walter Kufel, a Prefeitura utilizou o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) para determinar o aumento da tarifa. "É a taxa de inflação desde o aumento mais recente, de outubro de 1999, até outubro de 2001", explicou.Para o sindicato, o reajuste é irrisório. A categoria pede aumento para R$ 1,40. "Já aceitamos não mexer na bandeirada e na hora parada", reclamou Bezerra. Para ele, a população sentirá o efeito do aumento, seja qual for a alíquota.Os taxistas devem convocar uma assembléia, para decidir como protestar contra o índice, após o Dia de Finados.Kufel adiantou que acha difícil Marta elevar mais o índice. "Vamos esperar um comunicado oficial do sindicato e manter a relação cordial", disse o diretor."A prefeita tem o direito de defender o povo de São Paulo. Eu tenho o direito de defender a minha categoria."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.