Taxista será indiciado por homicídio triplamente qualificado

O taxista Claudionor Almeida de Souza, de 54 anos, que teria matado a jornalista Sueli Jacinto(42), durante a lua-de-mel, em Praia Grande, vai ser indiciado por homicídio triplamentequalificado - pelo motivo torpe, pela crueldade do ato e pela impossibilidade de defesada vítima, que fora previamente amarrada - e poderá cumprir pena de até 20 anos deprisão.O delegado titular do município, Rubens Barazal, após participar da reconstituição do crime, nesta sexcta-feira pela manhã, não tem mais dúvidas sobre a particicipação direta do taxista na morte da jornalista.A reconstituição foi feita pela menor J.O.S., de 13 anos, que, nesta quinta-feira, acusou Claudionor de Souza de ter matado a esposa no primeiro dia da lua-de-mel, no dia 17 de dezembro. De acordo com Barazal, a menor ?mostrou de modo incisivo e sem margem de dúvidacomo os fatos ocorreram e, em momento algum, entrou em contradição com o depoimento prestado anteriormente?.J., que mantinha relações com o taxista desde os 11 anos de idade, foi encaminhada ao Juizado da Infância e da Juventude. Para o delegado, trata-se de ?um crime bárbaro, praticado com crueldade em circunstâncias que causaram impactos peculiares, face ao envolvimento do acusado com a menor?.A reconstrução dos fatos começou por volta das 9 horas da manhã. De acordo com o investigador Adriano Matos, o fato atraiu muitos curiosos e a rua teve que ser interditada para afastar os populares. Segundo disse, J.O.S. chorou por duas vezes e mostrou-se bastante emocionada quando narrou os golpes que teriam sido desferidos por Claudionor de Souza, causando a morte da jornalista.?Ela mostrou todos os detalhes?, enfatizou oinvestigador. O delegado do 2º DP de Praia Grande, Carlos Baptista, o primeiro que atendeu àocorrência, a seu pedido J.O.S. representou os fatos tal como ocorreram, de modo aeliminar qualquer dúvida a respeito do crime, que considerou ?bárbaro, em razão dascircunstâncias, uma vez que foi praticado após o casamento, fugindo assim aos padrõesnormais.?Segundo disse, Sueli sofria de carência afetiva, e o taxista comportava-se de modo exageradamente carinhoso, conforme depoimentos de familiares. ?O crime também surpreendeu pelo relacionamento do acusado com a menor de 13 anos de idade?, disse Baptista.Claudionor de Souza não participou da reconstituição. Ele chegou à cadeia, anexa à Delegacia de Praia Grande, por volta das 13 horas, mas, segundo Carlos Baptista, deverá ser transferido para outro presídio por medida de segurança pessoal.O taxista havia sido removido há dois dias para o presídio de Itanhaém. No início da próxima semana, a polícia vai fazer outra reconstituição do crime, desta vez com a participação do acusado.

Agencia Estado,

03 de janeiro de 2003 | 16h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.