TCU vai investigar esquema e poderá suspender repasses

O Ministério Público no TCU decidiu ontem investigar o esquema de institutos fantasmas e empresas de fachadas envolvendo emendas orçamentárias de parlamentares destinadas a eventos culturais. "Se comprovarmos as irregularidades vamos pedir a suspensão dos repasses dos recursos e apontar os responsáveis", afirmou o procurador Marinus Marsico.

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2010 | 00h00

Já a Controladoria-Geral da União (CGU) afirmou, em nota enviada ao jornal, que tem encontrados muitos problemas nessa área, além dos citados pela reportagem, como "substituição do artista contratado por outro de cachê menor; cobrança de ingresso para show já financiado pelo convênio; dispensa de licitação; conluio entre empresas e institutos controlados pela mesma pessoa". "Com a repetição dos casos, a CGU verificou tratar-se de esquemas criminosos e por isso encaminhou, já em 2009, relatórios à PF e ao Ministério Público", diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.