Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

Técnica usada em chacina em Florianópolis foi aprendida pela TV, diz suspeito

À polícia, jovem de 21 anos preso por suspeita de envolvimento no caso disse que usou panos embebidos em gasolina após assistir a filmes. Dois foram presos pelo assassinato de cinco pessoas em julho. Um outro suspeito ainda está sendo procurado

Marcone Tavella, Especial para O Estado

12 Agosto 2018 | 20h31

FLORIANÓPOLIS - Uma das pessoas presas sob suspeita de envolvimento na chacina de uma família cometida no dia 5 de julho em Florianópolis disse à polícia que aprendeu a técnica usada para matar as vítimas assistindo a filmes na televisão. Panos embebidos em gasolina foram usados para sufocar e matar as cinco pessoas, o que surpreendeu a polícia local pelo ineditismo da prática. Dois suspeitos foram presos pelo crime no fim da semana passada e um terceiro envolvido está sendo procurado. 

Numa pousada no bairro de Canasvieiras foram encontrados mortos Paulo Gaspar Lemos, de 78 anos, e seus três filhos Paulo Junior, de 51, Katya Gaspar Lemos, de 50, e Leandro Gaspar Lemos, de 44, além do sócio Ricardo Lora, de 39. A polícia apurou que o alvo principal era Leandro e que as demais vítimas foram mortas por estarem no local no momento do ataque. O crime teria se estendido por quase seis horas, período no qual as vítimas foram torturadas. 

Na cena do crime estavam pichados na parede o número 171, artigo do Código Penal para estelionato, e a frase “Minha família foi justiçada. Enrolaram muita gente. Chegou a hora deles”. Eles também haviam pichado a sigla da facção Primeiro Comado da Capital, mas a evidência logo foi considerado uma pista falsa, para desviar a atenção.

Segundo o delegado Ênio de Oliveira Matos, os assassinos sabiam que a “família tinha histórico de calote” e também eram credores lesados que resolveram se vingar. Não roubaram nada do apart-hotel Venice Beach, onde as vítimas foram executadas. 

O suspeito que confessou tem 21 anos, foi preso no bairro Potecas, em São José, e disse ter contado com auxílio de dois comparsas. Um deles está foragido. O outro foi preso na sexta-feira, 10, em Santana do Livramento, fronteira gaúcha com o Uruguai. Os criminosos são moradores do Norte da Ilha de Santa Catarina. O que também contraria outras versões de que o mandante da morte seria paulista. A família Lemos deixou São Paulo, em 2010, quase R$ 300 milhões em dívidas e muitos processos.

Mais conteúdo sobre:
chacina tortura Florianópolis [SC]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.