Telefones clonados de Sorocaba ligavam para Bangu

Mais de 100 telefones fixos de assinantes deSorocaba, a 92 quilômetros de São Paulo, foram clonados e usados em chamadas clandestinas para presídios do Rio de Janeiro nos últimos 15 dias. O delegado seccional Maurício Blazeck acredita que o expediente está sendo usado pelo crimeorganizado para comunicação com traficantes presos. Blazeck pediu ajuda ao GrupoIntegrado (GI), formado pelas polícias civil, militar e federal, para tentar descobrir aorigem dos golpes.A polícia suspeita do funcionamento, em Sorocaba, de uma central telefônica provavelmente ligada ao Primeiro Comando da Capital (PCC), facçãocriminosa dos presídios paulistas que mantém vínculos com o Comando Vermelho (CV)do Rio de Janeiro.Nesta quinta-feira, ao ser forçado a transferir suas chamadas para o Rio, o aposentado Pascoalino Rodrigues da Silva foi ameaçado por uma pessoa que se dizia do PCC. "Quero sua linha só por duas semanas", informava o autor da ligação. Caso não efetuasse a transferência, o comando explodiria sua casa.A clonagem da linha é feita com a discagem de um código que transfere a outro destinatário aschamadas feitas para o telefone. O serviço é oferecido pela Telefônica para atender pessoas que têm mais de um domicílio. O golpista induz o assinante a digitar o código de transferência e o número do telefone que passará a receber as chamadas.No início, eles se fizeram passar por funcionários da Telefônica. Depois que o golpe foi divulgado, passaram a ameaçar as vítimas. A polícia já constatou que a maioria das chamadas está sendo feita para o Complexo Penitenciáriode Bangu, no Rio.A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo deve solicitar que a polícia carioca realize investigações paralelas. A cobrança das ligações aparece nas contas do assinante. O corretor de imóveis Gérson Cândido Dias Ferreira recebeu umacobrança no valor de R$ 4,5 mil. Em duas chamadas feitas para o celular 9252-8095, doRio, a ligação durou 123 e 165 minutos respectivamente.A Telefônica informou que as vítimas do golpe não terão de pagar as ligações, desde que comprovem a fraude.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.