Telhado de creche desaba e fere 17 crianças em Nova Iguaçu

Dezessete crianças ficaram feridas, três delas em estado grave, quando o telhado da creche em que estudam caiu, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A creche, administrada pela Igreja, funciona no terreno da Paróquia de Santo Antônio da Prata. As crianças foram socorridas por pessoas que passavam na rua no momento do acidente, por volta das 10 horas desta quinta-feira. O vendedor Carlos Wagner Lopes contou que passava em frente à creche quando ouviu os gritos de socorro. Ele e outros voluntários ajudaram a retirar as crianças dos escombros. "Foi uma cena horrível. As crianças choravam muito, algumas sangravam. A gente não tinha idéia da gravidade. Os bombeiros levaram 40 minutos para chegar e só fizeram o transporte dos feridos", afirmou. De acordo com a Defesa Civil, a viga de madeira que sustentava as telhas cedeu - ainda não se sabe se por desgaste ou pela ação de cupins. O material ainda será analisado. O padre responsável pela igreja, Vilcilane Mourão, disse que o telhado estava conservado e nada indicava que poderia ceder. A creche foi interditada pela Defesa Civil e não tem prazo para ser reaberta. FeridosAs crianças foram levadas para o Hospital da Posse, a maioria com escoriações. Três ficaram em estado grave. Márcia Alves dos Santos, de 4 anos, sofreu fratura de crânio. Ela foi operada no início da tarde. Jenifer Leusiane Vieira da Silva e Vitória Figueiredo Silva, ambas de 4 anos, sofreram traumatismo craniano. Jenifer será transferida para outro hospital com UTI pediátrica. Vitória permaneceu internada no Hospital da Posse, em observação. Quarenta crianças estudam na creche comunitária, que tem convênio com a Secretaria Municipal de Educação. Elas passam o dia inteiro na instituição e recebem café da manhã, almoço e lanche. As famílias contribuem com R$ 20 mensais e material de limpeza. O bispo da Diocese de Nova Iguaçu, d. Luciano Bergamin, esteve no hospital para visitar as crianças e confortar as famílias. Ele prometeu ajuda em medicamentos para as crianças em estado mais grave. "As famílias vão entender que foi um acidente. Não houve intenção de prejudicar. A creche funciona ali há muitos anos para ajudar essas crianças a crescerem com saúde", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.