Telhas trocadas têm amianto, proibido há 5 anos

O secretário municipal de Habitação, Orlando Almeida, afirmou ontem que havia telhas de amianto no local do acidente, mais um indício de que a obra no telhado da sede da Renascer foi feita de forma irregular. O amianto - fibra mineral considerada altamente tóxica - está proibido na cidade há cinco anos, segundo Almeida. Em uma reforma regular, que passa pelo crivo da Prefeitura, o proprietário deve assinar um documento dizendo que não usa o material.No pedido de alvará feito no ano passado pela igreja, foram exigidos apenas laudos referentes a normas e equipamentos de combate a incêndios. Todas informações sobre a condição do telhado, refeito em 1999 após inspeção do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), eram as mesmas de dez anos atrás. Segundo a Secretaria da Habitação, os fiscais do Contru que estiveram no templo no ano passado para vistoriá-lo não detectaram nenhuma irregularidade aparente nem no plano de emergência e de combate a incêndios nem na estrutura do imóvel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.