Reuters/ Ueslei Marcelino
Reuters/ Ueslei Marcelino

Temer diz que pretende pautar segurança pública como um dos temas fundamentais do País

Em reunião com prefeitos, presidente reforçou ainda que é preciso a participação de toda a sociedade para ajudar no combate ao crime

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 12h59

BRASÍLIA - Em reunião com prefeitos de capitais no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer voltou a dizer nesta quarta-feira, 7, que o tema da segurança pública é "fundamental" e que é preciso a participação de toda a sociedade para ajudar no combate ao crime. "Segurança pública não é uma questão só da União, só dos Estados e ou dos municípios, é uma questão da sociedade", disse o presidente afirmando que o objetivo do encontro com os prefeitos é "pautar a segurança pública como um dos temas fundamentais do País". 

+++ Comissário da ONU critica intervenção federal no Rio

Temer, que com a decisão de intervir na segurança pública do Rio de Janeiro virou a agenda do governo e passou a usar a bandeira da segurança como possível plataforma para a reeleição, disse ainda que ações dos governos em relação a segurança, incluindo encontros de autoridades como este com os prefeitos, chegam aos marginais e os intimidam a praticar crimes. "Essas reuniões, movimentações, chegam a quem está na marginalidade e naturalmente faz com que eles se preocupem pelo menos em praticá-las porque saberão que terão um resposta muito firme muito e segura das autoridades estaduais", afirmou. 

O presidente disse que o governo tem "evidentemente em pauta e em conta o princípio federativo". "A União não vai interferir em nenhuma das competência dos Estados. O que nós queremos é fazer essa integração", disse, ressaltando a criação do Ministério Extraordinário da Segurança e que a pasta será responsável por coordenar as ações da área.  

+++ Segurança no Brasil está quase na UTI, diz ministro da Defesa

Sugestão.  Temer sugeriu que os prefeitos deem uma "função mais efetiva" às guardas municipais. "Na medida em que estejam nas praças, nas ruas e diante dos colégios, elas estarão exercendo uma prevenção muito significativa", destacou o presidente sugerindo que prefeitos chamem os comandantes e discutam formas de melhorar a atuação das guardas municipais. 

Participantes. De acordo com a lista divulgada nesta quarta pelo Planalto, estão presentes na reunião o presidente da Câmara, Rodrigo Maia; os ministros Torquato Jardim (Justiça), Raul Jungmann (Segurança Pública), Esteves Pedro Colnagro Júnior (interino do Planejamento), Carlos Marun (Secretaria de Governo), além do secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional, General Freire Gomes. 

No total, estão presentes 22 prefeitos: Antônio Carlos Magalhães Neto, de Salvador (DEM), Marcelo Crivella, do Rio de Janeiro (PRB); Zenaldo Coutinho, do Belém (PSDB); Geraldo Júlio, do Recife (PSB); João Doria, de São Paulo (PSDB); Alexandre Kalil, de Belo Horizonte (PHS);  Iris Rezende, da Goiânia (MDB); Emanuel Pinheiro, de Cuiabá (MDB); Nelson Marchezan Junior, de Porto Alegre (PSDB), Roberto Claudio Rodrigues Bezerra, de Fortaleza (PDT); Luciano Rezende, de Vitória (PPS); Firmino Filho, de Teresina (PSDB); Guilherme Pereira de Paulo, em exercício, de Florianópolis (MDB); Rui Palmeira, de Maceió (PSDB), Edvaldo Nogueira, de Aracaju (PCdoB); Rafael Greca, de Curitiba (PMN); Marcus Alexandre, de Rio Branco (PT); Marquinhos Trad, de Campo Grande (PSD); Hildon de Lima Chaves, de Porto Velho (PSDB); Carlos Franco Amastha, de Palmas (PSB); Clécio Luís, de Macapá (Rede); Teresa Surita, de Boa Vista (MDB). Também está na reunião Álvaro Dias, vice-prefeito de Natal (MDB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.