ITAWI ALBUQUERQUE/ESTADÃO
ITAWI ALBUQUERQUE/ESTADÃO

Temer lamenta mortes, mas não define valor da ajuda a Alagoas

'Precisamos verificar quais os danos e o que é preciso fazer', disse Temer em coletiva à imprensa

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2017 | 19h52

O presidente Michel Temer (PMDB) lamentou as mortes causadas pelas enchentes e anunciou ajuda para os municípios atingidos pelas cheias, mas não definiu os valores, durante visita a Maceió, na noite deste domingo (28). De acordo com a Defesa Civil, quatro pessoas morreram, cinco estão desaparecidas e ao menos 2 mil ficaram desabrigadas com as chuvas que atingem principalmente a capital, a região metropolitana e o norte do Estado de Alagoas. “Vão ser liberados recursos. Para isso estivemos aqui e, com o decreto de emergência já estabelecido (pelo Estado), podemos fazer isso. Os valores não temos ainda. Precisamos verificar quais os danos e o que é preciso fazer”, afirmou, durante coletiva à imprensa no quartel do Exército. 

Num momento em que seu governo enfrenta grave crise em razão das delações de dirigentes do grupo JBS que atingiram o presidente, Temer destacou as presenças do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), e do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), ao seu lado. “Viemos acompanhados de vários ministros, inclusive o da Integração Nacional (Hélder Barbalho). Já têm pessoas do Ministério aqui colaborando com Maceió e com todos os municípios atingidos (referindo-se ao alagoano Marx Beltrão, do Turismo). Vieram conosco, revelando sua solidariedade e empenho de reconstruir o que foi destruído, o presidente da Câmara dos Deputados e do Congresso Nacional”, afirmou.

Temer afirmou que é preciso atuar simultaneamente no socorro emergencial aos flagelados e em obras preventivas. “Precisamos cumprir a emergência, ou seja, recuperar os danos causados pelas chuvas e, mais adiante, fazer as coisas indispensáveis que sejam preventivas. Temos que proteger as encostas para que não haja mais deslizamentos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.