Temperatura chega a 28,8°C no meio do inverno

Vento quente leva a recorde em São Paulo, enquanto Defesa Civil alerta para umidade baixa em 12 Estados

Cláudio Vieira, O Estadao de S.Paulo

13 Agosto 2008 | 00h00

São Paulo teve ontem o dia mais quente deste inverno. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a máxima foi de 28,8°C no Mirante de Santana, na zona norte. E as temperaturas devem permanecer altas pelo menos até domingo. O recorde anterior era de 28,6 °C, no dia 1º. Mas longe ainda dos 34°C registrados em setembro de 2004 - maior marca da estação. A explicação para os dias paulistanos com características de verão envolve a passagem de uma frente fria pelo Sul do País. "Ela cria uma situação que chamamos de pré-frontal. Nesse caso, o vento começa a soprar do interior do continente para o litoral. E esse é um vento quente, o que provoca elevação da temperatura na Região Sudeste", diz o meteorologista André Madeira, da empresa Climatempo. A expectativa é de que a frente fria chegue ao Sudeste nos próximos dias, mas se desvie rapidamente para o oceano, sem alterar as condições climáticas atuais. O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) prevê máximas entre 28°C e 26°C e mínimas entre 14°C e 15°C nesta semana. Não há previsão de chuva. Mas, como choveu na semana passada, a umidade relativa do ar melhorou na capital paulista. Ontem, os níveis registrados foram bastante aceitáveis, em média, de 50% - bem acima dos 30% recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). E bem diferente do clima seco que castigou os paulistanos durante o mês de julho, com temperaturas na casa dos 27°C, e causou uma estiagem de mais de 40 dias. Na região do Aeroporto de Congonhas, na zona sul, a umidade relativa do ar foi de 57%; no Campo de Marte, na zona norte, de 56%, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). OUTROS ESTADOS A Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional, alertou as Defesas Civis de 12 Estados e do Distrito Federal, por causa da baixa umidade do ar. De acordo com a Sedec, pelo menos até amanhã a presença de uma massa de ar seco deve deixar os índices abaixo de 30% em Rondônia, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas, Bahia, Goiás e Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.