Tempo nublado afasta turistas da praia

O tempo nublado afastou da praia a maior parte dos turistas que passam o feriado em Santos, na Baixada Santista. Na tarde de ontem, a orla e os jardins das praias santistas pareciam mais vazios do que num fim de semana comum da temporada. Apesar de os termômetros marcarem 27°C, as pessoas que circulavam pelo local preferiam caminhadas, comer petiscos nas barracas montadas na areia e passeios de bicicleta.Esse é o caso do casal de namorados Silvia Correa, de 50 anos, e Rogério Faria, de 46, que faziam um passeio de bicicleta pela ciclovia da orla. Ela é empresária em Santos e ele economista em Santo André. Ele desceu pela Anchieta, na manhã de ontem, e não enfrentou lentidão. "O movimento estava acima da média, mas sem congestionamento. A cidade também está vazia para um feriadão. Assim que cheguei, vi várias vagas para estacionar", comemorou.O atendente do quiosque Wilmar, na praia do Embaré, Erlon Martins, reclamou da falta de turistas. "O movimento está abaixo do esperado. Pela manhã, até que tinha gente na praia. Mas, à tarde, o tempo mudou e espantou todo mundo."Apesar do baixo movimento, a ocupação hoteleira está mais alta que no ano passado. De acordo com o sindicato dos hotéis e bares da Baixada Santista, 83% dos leitos dos hotéis da região foram ocupados neste feriado. Na Páscoa de 2007, a ocupação foi de 75%.A Ecovias, concessionária que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, implantou a operação descida (7x3) às 9h30 de ontem, para facilitar a viagem rumo ao litoral. Entre a meia-noite de quarta-feira, quando teve início a contagem para o feriado de Páscoa, e as 18h de ontem, 209 mil veículos desceram a serra. A estimativa é de que entre 250 mil e 350 mil veículos utilizem as estradas do sistema no feriadão.LITORAL NORTECerca de 6 mil carros entraram ontem em Ilhabela, no litoral norte. O volume não ultrapassou o limite diário - 10 mil veículos - imposto pela nova lei municipal que restringe a entrada na ilha.Também ontem os visitantes foram surpreendidos pela cobrança da taxa de preservação ambiental, que entrou em vigor nesta semana. Até os moradores que não tinham o selo que isenta do pagamento tiveram de arcar com a taxa. "Fiquei surpreso, não sabia, mas tudo bem", considerou o marinheiro Gelmário Alves. O turista que chega a Ilhabela de carro tem de desembolsar R$ 2. Vans pagam R$ 100 e ônibus, R$ 300.A prefeitura passou a cobrar a Taxa de Preservação Ambiental para investir em projetos de educação ambiental, limpeza e conservação das áreas ambientais protegidas. A ilha tem 85% de mata atlântica preservada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.