Temporal em São Paulo danifica vitral de 1920

Os 25 desembargadores mais antigos que compõem o Plenário do Tribunal de Justiça, na Praça da Sé, por questões de segundos, escaparam de ser feridos pelos estilhaços de um vitral, na sala das becas. A peça foi estilhaçada por granizo, às 16 horas, durante o temporal que castigou a cidade.Pedaços pontiagudos de cristal espalharam-se pela sala e sobre a mesa em que estava servido o lanche. Normalmente os trabalhos da plenária são suspensos às 15h30, para intervalo de meia hora. Excepcionalmente, porém, dada a complexidade de uma matéria em discussão, prolongaram-se além do tempo habitual.A peça danificada é de difícil reposição. Foi instalada na década de 20, quando o prédio do Tribunal de Justiça estava sendo construido por Alvares de Azevedo. É trabalho do alemão Conrado Sorgenicht que, em 1988, radicou-se em São Paulo, fundando a Conrado Vitrais e Cristais, na Rua do Triunfo, no bairro da Luz.O vitral danificado é um dos mais antigos de São Paulo, ao lado do instalado no Mercado Municipal Central, na década de 30. São 72 peças com temas pecuários e agrícolas. O trabalho de Conrado enriquece também centenas de igrejas em São Paulo, entre elas a Catedral da Sé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.