Tenente é denunciado por homicídio doloso qualificado

O Ministério Público Estadual do Rio Grande do Sul denunciou hoje o tenente da Brigada Militar (PM gaúcha) por homicídio doloso qualificado - cuja pena varia de 12 a 30 anos de prisão - pela morte do tenista Thomás Engel com um tiro de escopeta, em São Leopoldo, na madrugada do dia 2 de setembro. O inquérito civil foi entregue pela promotora da 1ª Vara Criminal da cidade, Débora Balzan Lay, no MP: "A arma não podia disparar com todos aqueles dispositivos de segurança. Este indiciamento foi feito para não furtar à sociedade uma decisão do Tribunal do Júri sobre esse caso".A promotora também afirmou que Thomás e seus dois amigos, quando revistados pelo militar, não esboçaram qualquer reação que justificasse o disparo. A decisão de Débora Balzan Lay baseou-se nos dois depoimentos contraditórios de Souza. No primeiro ele afirmou, no dia do crime, que Thomás Engel estava armado e virava-se para atingi-lo com um disparo. Depois, na presença de seu advogado, Roberto Leal Kelleter, da promotora e do encarregado do Inquérito Policial Militar (IPM), confessou que quando foi feita a abordagem aos três rapazes, a arma estava apontada para o chão e que o seu dedo indicador estava fora do gatilho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.