Tenente morre durante treinamento em represa

O tenente Renato César Taga, de 24 anos, morreu na sexta-feira durante o curso de especialização do Batalhão de Operações Especiais (Bope), na represa de Ribeirão das Lajes, em Piraí, sul fluminense. A Polícia Militar do Rio de Janeiro ainda não sabe informar a causa da morte de Taga. A suspeita é a de que o motivo seja hipotermia - queda acentuada na temperatura do corpo, levando a paradas cardíaca e respiratória -, já que ele estava submerso nas águas da represa, para realizar uma das etapas finais do treinamento: ficar por 12h com o corpo dentro d´água.O comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel Francisco Braz, afirmou que o policial foi socorrido a tempo, mas lamentou o fato de os médicos não terem conseguido ressuscitá-lo. Afirmou que somente a perícia poderá identificar o motivo da morte, já que o policial era "excelente, atleta e um campeão, dentro da corporação".Além de Taga, outros 21 alunos participaram do exercício. A estimativa é a de que a temperatura da água, na hora da morte do policial, estava entre 16ºC e 20ºC. O corpo de Taga foi sepultado na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo. Apesar da morte de Taga, o curso, que começou no início da semana, não foi interrompido e a previsão é a de termine em 15 dias. Em nota oficial, a PM informou que esta foi a primeira morte ocorrida em 20 anos de treinamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.