Tenente que matou tenista não será preso

O tenente Paulo Sérgio de Souza, autor do disparou que matou o tenista gaúcho Thomás Engel, não terá sua prisão preventiva decretada, pelo menos por enquanto. A decisão foi tomada hoje pela Corregedoria-geral da Brigada Militar, órgão responsável pelo inquérito policial militar que investiga o crime ocorrido na madrugada do último domingo. "Analisamos a possibilidade de pedir a prisão preventiva, mas chegamos à conclusão de que não é necessário, e que não há pressupostos jurídicos para que isso se realize", afirmou o major Robson Tomazi.Segundo ele, a licença de tratamento de saúde obtida pelo oficial da PM gaúcha impede que sua prisão seja solicitada. Um dia depois do crime, Souza alegou que estava traumatizado e sentindo-se mal, e convenceu a Junta Militar de Saúde a lhe dar uma licença por 10 dias. "Como são só 10 dias, resolvemos acatar a decisão dos médicos", justificou o major Tomazi.O tenente já foi ouvido uma vez no inquérito militar, mas vai depor pela primeira vez nesta segunda-feira para o delegado Marco Antônio Machado, que comanda uma investigação paralela. Enquanto a BM tem mantido o assunto sob sigilo, o delegado tem dado publicidade a suas opiniões e já antecipou que indiciará Souza por homicídio doloso. A tese de "tiro acidental" já foi descartada pelo delegado, mas a BM aguarda a perícia na escopeta calibre 12 para chegar a uma conclusão sobre o assunto. "Acho que é uma contradição dizer que o tiro é acidental e, ao mesmo tempo, que foi uma reação a um movimento suspeito", disse o major, referindo-se às versões apresentadas pelos dois soldados que acompanhavam Souza no registro de ocorrência e depois em seus depoimentos.Na segunda-feira, os PMs do Vale do Sinos, região em que está situada São Leopoldo, iniciarão um processo de reciclagem. A medida foi determinada pelo comando da BM para renovar o treinamento dos policiais com o uso de armas, bastão e algema. Eles também receberão acompanhamento de psicólogas. O treinamento será estendido posteriormente para outras regiões do Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.