Normando Soracles/Agência Miséria/AFP
Normando Soracles/Agência Miséria/AFP

Tentativa de assalto a bancos deixa pelo menos 14 mortos no Ceará

Caso aconteceu na pequena Milagres, cidade com 28 mil habitantes; oito membros da quadrilha morreram

O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2018 | 11h00
Atualizado 10 Dezembro 2018 | 15h51

FORTALEZA - Pelo menos 14 pessoas foram mortas em uma tentativa de assalto a dois bancos, na madrugada desta sexta-feira, 7, na cidade de Milagres, região do Cariri, no Ceará. Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado, após confronto com policiais, oito membros da quadrilha morreram. As outras vítimas eram reféns – cinco da mesma família – e informações preliminares indicam que houve execução por parte dos bandidos.

Milagres, a 487 quilômetros de Fortaleza, tem cerca de 28 mil habitantes. A tentativa de roubo às agências do Banco do Brasil e do Bradesco foi por volta das 2h30. A quadrilha estava com os reféns quando a PM chegou e, dizem testemunhas, houve intenso tiroteio. 

Cinco criminosos morreram no local e dois após serem atendidos em postos de saúde da região. Outro foi morto por policiais na cidade de Barro, a cerca de 100 quilômetros de Milagres. Três bandidos foram detidos depois e nenhum dinheiro foi levado. 

Primeiramente, os bandidos assaltaram um caminhão na rodovia BR-116, entre Milagres e Brejo Santo. Depois sequestraram os seis reféns na estrada e os obrigaram a entrar na cidade. O grupo usou um caminhão para bloquear o acesso de veículos na via. 

A polícia, que tinha informação de que a quadrilha planejava um roubo em Milagres ou em Missão Velha, cidade da mesma região, encontrou a quadrilha perto das agências bancárias. 

A família sequestrada era do empresário João Batista Magalhães, de 46 anos, que voltava junto do filho Vinícius, de 14, do Aeroporto de Juazeiro do Norte (CE), onde haviam buscado parentes vindos de São Paulo para passar o Natal.

Além deles, morreram a cunhada Claudineide Souza, de 42 anos, o marido dela, Cícero Santos, de 60, e o filho do casal, Gustavo, de 13. “Uma tragédia. Toda a família e a cidade estão aos prantos”, diz Tadeu Gama, cunhado do empresário, que era de Serra Talhada (PE). O velório será neste sábado. A sexta vítima era Francisca Cruz, de 49 anos.

A investigação que levou ao grupo envolveu as inteligências das polícias de quatro Estados – Sergipe, Alagoas, Bahia e Ceará. A quadrilha teria atuação interestadual, com foco no Nordeste, segundo o secretário da Segurança, André Costa. Milagres já havia sofrido tentativa de ataque na semana anterior, segundo o diretor do Sindicato do Bancários do Ceará, Gabriel Mota. Por isso, a polícia investigava a ação da quadrilha e conseguiu interceptá-la. 

Em Milagres, a prefeitura fechou repartições públicas e recomendou aos moradores não sair de casa “até que a ordem seja restabelecida”. No comércio, muitos também fecharam as portas. 

 

“O carro parou na frente do banco, mas a polícia vinha atrás. Quando percebemos, fomos nos esconder, com medo das balas”, conta Niedja Alves, de 32 anos, dona da funerária em frente à agência. Ela, a irmã e a mãe, que vivem sobre a loja, não abriram o estabelecimento nesta sexta. “Foram 20 minutos de disparos. Nunca aconteceu nada disso aqui. Só via na TV”, diz um empresário da cidade, que pediu anonimato.

A polícia também encontrou um homem morto em uma caminhonete abandonada, com colete à prova de balas, e investiga sua relação com os ataques. Uma pistola 9 mm, um revólver calibre 38, uma arma calibre 12 e explosivos foram achados. Três veículos envolvidos no crime, um Celta e duas caminhonetes, foram apreendidos. 

Alta

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, chamou o caso de “tragédia” e reforçou a necessidade de integrar as inteligências das polícias. Balanço do Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta aumento nos roubos a instituições financeiras no País (como bancos e caixas-fortes): foram de 627 casos em 2007 para 1.478 em 2016.

“Ocorre no interior de vários Estados há pelo menos uma década. São quadrilhas especializadas. A técnica não é diferente da usada no Sudeste, até porque as quadrilhas transitam entre Estados”, afirma Luís Flávio Sapori, especialista em segurança da Pontifícia Universidade Católica de Minas (PUC-MG). O crescimento econômico na década passada e o menor efetivo policial, diz ele, fazem o interior ser atraente para esses crimes.

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) diz que o setor investe R$ 9 bilhões anuais em segurança todo ano, o triplo do investido há uma década. /PRISCILA MENGUE, GABRIELA RAMOS e FERNANDA LIMA, ESPECIAIS PARA O ESTADO, COM AGÊNCIAS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.