AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Tentativa de fuga deixa 5 feridos em Hortolândia

Pelo menos cinco presos ficaram feridos numa tentativa de fuga que ocorreu no início da tarde deste sábado, na Penitenciária 2 (P-2), que integra o Complexo Penitenciário Campinas-Hortolândia, o maior do Estado, com cerca de 7 mil detentos. De acordo com agentes penitenciários, o incidente teve início quando um dos presos subiu no telhado para provocar os policiais militares que faziam a segurança do lado de fora e os vigilantes penitenciários que ocupavam as muralhas. Os agentes alegam que o preso insistiu em permanecer no telhado, mesmo após tiros de advertência. Outros disparos, então, foram feitos em direção a eles. Os tiros acertaram os cinco detentos. Os feridos foram levados para o Hospital Mário Covas, de Hortolândia. Quatro deles apresentaram ferimentos leves e já foram liberados. Um outro foi transferido para o Hospital Estadual Sumaré, no município de Sumaré. De acordo com funcionários do hospital de Hortolândia, ele foi atingido na região do tórax. A assessoria de imprensa do hospital de Sumaré informou que o detento, que não teve o nome revelado, passou por cirurgia e está na enfermaria. Equipe alvejadaApós o incidente, uma equipe de TV do SBT que sobrevoava com um helicóptero o Complexo Penitenciário foi alvejada pelos agentes de vigilância. De acordo com a Polícia Militar de Hortolândia, a aeronave da reportagem não estava identificada e sobrevoava a área numa distância considerada muito próxima do solo, cerca de 30 metros. A PM informou ainda que a equipe foi alertada a se afastar do Complexo, o que não ocorreu. A Polícia Militar argumenta que a aeronave se aproximou além do permitido de uma das torres e atirou com receio de um possível resgate de presos. O co-piloto, Adriano Moreira Ávila, foi atingido na perna. Além dele, estavam na aeronave o piloto e um cinegrafista. Após ser atingido, o helicóptero do SBT pousou no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, às 15h40. O SBT nega que os profissionais tenham sido alertados pelos agentes ou pela PM. Ainda segundo a emissora, a aeronave pertence a uma empresa que presta serviços ao SBT, mas é fácil de ser identificada como sendo de uma equipe de jornalismo em razão da câmera de filmagem. A emissora também informou que a equipe que estava trabalhando já havia feito as filmagens, é experiente e acostumada a cobrir rebeliões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.