Teodoro Sampaio faz prisões e campanha contra a pedofilia

Depois que duas pessoas da cidade foram presas, acusadas de pedofilia, o Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) de Teodoro Sampaio, no Pontal do Paranapanema, a 680 quilômetros de São Paulo, lançou uma campanha contra esse tipo de crime.O objetivo, segundo a presidente do Conseg, vereadora Sueli Cristina Nifossi di Gesu (PSDB) é esclarecer a população sobre essa forma de violência contra a criança e facilitar o acesso aos órgãos policiais de pessoas que tenham algum tipo de denúncia a fazer. "Alguns casos de abusos são percebidos por vizinhos e familiares, mas eles não sabem que devem denunciar, nem como fazê-lo."A campanha, denominada "Vítimas do Silêncio", será levada a escolas, associações comunitárias e às ruas, com a fixação de cartazes em pontos comerciais e prédios públicos. Professores e diretores estão sendo preparados através de palestras e treinamentos para abordar o tema com os alunos. Hoje, eles ouviram as orientações transmitidas pela titular da Delegacia da Mulher de Presidente Prudente, Ivani Trevisan, em palestra realizada na Câmara.As polícias civil e militar estão agindo também, de forma conjunta, contra a prostituição infantil. Houve casos de adolescentes, com idade entre 13 e 15 anos, sendo exploradas sexualmente na cidade.Os dois casos de pedofilia revoltaram a população. No primeiro, um pai foi preso, acusado de molestar sexualmente o filho de 11 anos. A violência foi confirmada nos exames. No outro caso, um cobrador foi denunciado pela prática de violência sexual contra um menino de 12 anos. Nas investigações, a polícia descobriu que outras cinco crianças com até 14 anos tinham sido vítimas do maníaco.Os acusados tiveram a prisão preventiva decretada e, por medida de segurança, foram transferidos para uma cadeia da região. O delegado Donato Farias de Oliveira decretou sigilo nos inquéritos. Ele investiga outros casos na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.