Terceira fase de despoluição do Tietê vai combater esgoto irregular

Só na capital foram identificadas 18 mil ligações clandestinas em 1 mês; etapa prevê investimentos de US$ 800 mi

Daniel Gonzales, JORNAL DA TARDE, O Estadao de S.Paulo

16 Fevereiro 2009 | 00h00

Pelo menos até 2018, a despoluição do Rio Tietê no trecho urbano da capital e Grande São Paulo continuará só no sonho dos paulistanos e na promessa das autoridades. A perspectiva é resultado dos avanços percebidos até agora, passados 18 anos do início do projeto de despoluição do rio, com seis governadores já tendo ocupado o comando do Estado e US$ 3 bilhões investidos em obras desde 1992. O Projeto Tietê está agora prestes a abrir a terceira fase de obras com a antiga meta de descontaminação, hoje fora de cogitação por pelo menos mais 9 anos pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).Os ganhos no controle da poluição do Tietê ainda não são visíveis aos moradores da capital. Apenas no interior, onde a sujeira que cobria o rio recuou 160 quilômetros nos últimos anos. "Mas a situação já melhorou", aponta Carlos Eduardo Carrela, superintendente de Projetos da Sabesp. Em relação a 1991, o rio deixa de receber hoje, por dia, 1,3 bilhão de litros de esgoto puro.O programa só não avançou mais porque ainda há um grande volume de despejo de esgoto irregular no Tietê - são imóveis ligados à rede de águas pluviais - e porque oito cidades da Grande São Paulo não fazem parte da área de atuação da Sabesp.O esgoto de Guarulhos, cidade que hoje não trata os dejetos, são despejados no Cabuçu de Cima, afluente do Tietê, e só a partir deste ano começarão a ser destinados a cinco pequenas estações que serão construídas com R$ 249 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal. A meta é descontaminar 70% do volume nos próximos 4 anos. Em outros casos, a Sabesp levou a rede coletora até a porta das casas, mas os proprietários resistem em fazer as ligações por conta do aumento na conta de água. Na capital, foram identificadas mais de 18 mil ligações irregulares, só em outubro.O objetivo do pacotão de obras da terceira fase, que prevê investimentos de mais US$ 800 milhões (US$ 600 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento e o restante recursos da Sabesp), é aumentar os índices de coleta e tratamento de esgoto na capital e em 31 cidades. Transportar e tratar o esgoto de tão longe é fundamental porque o Tietê recebe o deságue de 165 córregos e rios. A empresa vai investir na ampliação de um complexo sistema de coletores e interceptores subterrâneos. Com isso, pretende saltar dos atuais 84% de esgoto coletado na Grande São Paulo (68% tratados) para 87% em 2015, chegando a 100% em 2018. O esforço, no entanto, está longe de significar que o rio estará despoluído, segundo especialistas em recursos hídricos. "Nem em 2040", prevê Maria Lucia Ribeiro, da ONG SOS Mata Atlântica. Mauricio Waldman, doutor em Geografia pela USP, diz que o lixo das ruas também vai parar no Tietê. "O rio nunca mais vai voltar a ser o que era." COLABOROU MARIANA LONDRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.