Terceira penitenciária federal deve funcionar ainda em 2007

A terceira penitenciária de segurança máxima deve começar a funcionar ainda em 2007. A estimativa foi feita pelo diretor do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Maurício Kuehne, a partir do grande número de pedidos de transferência de presos considerados perigosos. "Estamos apostando seriamente que o presídio de Mossoró, no Rio Grande do Norte, comece a funcionar esse ano mesmo, porque a demanda já está grande", afirmou. Hoje, duas penitenciárias federais estão em funcionamento: a de Catanduvas, no Paraná, e a de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Para o diretor do Depen, o presídio e Mossoró, no Rio Grande do Norte, deve ser o próximo a começar a funcionar. O número de pedidos de transferência de presos para a Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná, já ultrapassa a própria capacidade do local, segundo Kuehne. A penitenciária tem capacidade para 208 presos de alta periculosidade e atualmente tem 141 presos. "O número de pedidos dos Estados, em trâmite na Justiça, já suplantam a capacidade do presídio de Catanduvas. O de Campo Grande já está prestes a atingir", disse Kuehne. A Penitenciária Federal de Campo Grande foi inaugurada em dezembro de 2006 e, atualmente, abriga três presos. Kuehne explica que os pedidos dos Estados para a transferência dos presos são analisados pela Justiça. "A transferência é uma determinação judicial e nós operamos administrativamente." Segundo ele, cerca de 70% das obras do presídio estão adiantadas. "Estamos com várias providências administrativas em andamento, como aquisição de todos os equipamentos para montar perfeitamente a unidade", disse. Kuenhe afirmou também que o órgão já estuda a realização de concurso público para preenchimento dos cargos do presídio de Mossoró. As penitenciárias federais são destinadas a presos de alta periculosidade e contam com celas individuais e monitoramento com cerca de 200 câmeras. "Temos um contingente de 250 agentes penitenciários que são incumbidos da vigilância desses 208 presos que podem ir para esses locais". Kuenhe afirmou ainda que a penitenciária federal de Porto Velho, a quarta do País, já está com 40% das obras finalizadas. "A concepção total é para 1.040 vagas em cinco estabelecimentos penais. Dois já estão em funcionamento e outros dois em estágio de construção. Ainda falta uma definição política de onde a quinta unidade será construída, se no Espírito Santo ou em Minas Gerais", completou. Texto alterado às 14h31.

Agencia Estado,

09 Abril 2007 | 13h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.