Teresópolis quer ampliar beneficiados por aluguel social; mortos chegam a 848

Moradores foram à prefeitura reivindicar benefício e pedido será enviado à secretaria estadual

Marília Lopes, Central de Notícias

31 Janeiro 2011 | 11h07

SÃO PAULO - O município de Teresópolis, na região serrana do Rio, vai pedir a ampliação do aluguel social ao governo estadual, após pedido de moradores afetados. Na cidade, quase 350 pessoas morreram e mais de 10 mil estão fora de casa. O número de vítimas das chuvas voltou a subir.

 

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, o secretário de Desenvolvimento Social, Rudimar Caberlon, vai apresentar uma proposta para ampliar para cinco mil o número de famílias beneficiadas pelo aluguel social ao secretário estadual de Assistências Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves.

 

Nesta segunda-feira, 31, cerca de 500 pessoas estiveram na sede da Secretaria de Desenvolvimento Social para reivindicar o direito ao benefício. Funcionários da prefeitura realizam um pré-cadastro dessas pessoas e irão encaminhar à secretária estadual, como uma das justificativas para ampliação do aluguel social.

 

O cadastramento de 2.500 famílias desabrigadas e desalojadas de Teresópolis foi finalizado na sexta-feira, uma semana após o início do trabalho realizado por profissionais do município com a supervisão de técnicos da Secretaria de Assistência Social, que coordena o levantamento de dados das vítimas das chuvas na região serrana.

 

O aluguel social é um benefício que será oferecido aos moradores das cidades atingidas pelo governo estadual, que pagará R$ 500 por mês durante um ano. Após esse período, as famílias que perderam suas casas devem ser inseridas em programas habitacionais. A primeira parcela do aluguel social deve ser paga em fevereiro.

 

Vítimas. O número de vítimas das enchentes e deslizamentos de terra na região serrana chegou a 848, segundo a última atualização da Polícia Civil do Estado. As chuvas deixam 412 vítimas em Nova Friburgo, 343 em Teresópolis, 67 em Petrópolis, 21 vítimas em Sumidouro, quatro em São José do Vale do Rio Preto e uma em Bom Jardim.

 

O último boletim da Secretaria de Saúde e Defesa Civil, da sexta-feira, 28, informa que nas 17 cidades afetadas aproximadamente nove mil pessoas estão desabrigadas e ocupam abrigos públicos. Cerca de 21 mil pessoas tiveram que abandonar suas residências e ocupam a casa de parentes e amigos. A cidade com maior número de pessoas afetadas é Teresópolis, que tem 5.058 desabrigados e 6.210 desalojados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.