Termina horário de verão. É hora de acertar os ponteiros

O horário de verão terminou à meia-noite do sábado, quando os relógios precisaram ser atrasados em uma hora no Distrito Federal e nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Segundo dados preliminares do governo, a medida, iniciada no dia 16 de outubro do ano passado, proporcionou uma redução do consumo no horário de pico (entre 19h e 22h) de 4,6%, ou 2.225 megawatts (MW), que é praticamente o que consome, no horário de pico, uma cidade de 4,5 milhões de habitantes. Esses números preliminares, recolhidos pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) até sábado da semana passada, mostram que a redução na demanda ficou um pouco abaixo da expectativa inicial do governo, que era de uma diminuição de 2.340 MW. No verão passado, a economia de energia foi de 2.387 MW. Os números definitivos, incluindo a última semana do horário de verão, serão divulgados somente na segunda metade de março. A idéia de determinar que os relógios sejam adiantados em uma hora durante o verão tem como objetivo aproveitar mais a luminosidade desta época do ano, que já é naturalmente maior, de modo que as pessoas demorem mais para ligar seus equipamentos elétricos quando chegam em casa, entre o fim de tarde e o começo da noite. Com isso, o sistema elétrico opera com mais folga, evitando-se os riscos de interrupções no fornecimento de energia, os chamados apagões.

Agencia Estado,

19 Fevereiro 2006 | 00h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.