Termina horário de verão. É hora de acertar os ponteiros

O horário de verão terminou à meia-noite do sábado, quando os relógios precisaram ser atrasados em uma hora no Distrito Federal e nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Segundo dados preliminares do governo, a medida, iniciada no dia 16 de outubro do ano passado, proporcionou uma redução do consumo no horário de pico (entre 19h e 22h) de 4,6%, ou 2.225 megawatts (MW), que é praticamente o que consome, no horário de pico, uma cidade de 4,5 milhões de habitantes.Esses números preliminares, recolhidos pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) até sábado da semana passada, mostram que a redução na demanda ficou um pouco abaixo da expectativa inicial do governo, que era de uma diminuição de 2.340 MW. No verão passado, a economia de energia foi de 2.387 MW. Os números definitivos, incluindo a última semana do horário de verão, serão divulgados somente na segunda metade de março.A idéia de determinar que os relógios sejam adiantados em uma hora durante o verão tem como objetivo aproveitar mais a luminosidade desta época do ano, que já é naturalmente maior, de modo que as pessoas demorem mais para ligar seus equipamentos elétricos quando chegam em casa, entre o fim de tarde e o começo da noite. Com isso, o sistema elétrico opera com mais folga, evitando-se os riscos de interrupções no fornecimento de energia, os chamados apagões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.