Termina manifestação de guardas municipais em frente à Prefeitura de SP

Por volta das 3 horas da madrugada desta quinta-feira, dos 200 guardas municipais ligados ao SindGuardas, o sindicato da categoria, que realizaram um protesto em frente à sede da Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, região central da cidade de São Paulo, restavam apenas cinco. Alguns oficiais da Guarda Municipal conseguiram praticamente esvaziar a frente do prédio do governo municipal. Os guardas pediam a liberação do porte de armas fora de serviço o que, na verdade, é o porte de arma pessoal. O assunto deve ser discutido apenas na quinta-feira que vem, dia 27, pelo Departamento de Assuntos Metropolitanos da Secretaria de Governo Municipal.A reivindicação dos guardas municipais ganhou força após a última onda de ataques, por parte do PCC (Primeiro Comando da Capital), a bases da Guarda Municipal, da Polícia Militar, a delegacias e a prédios públicos e privados.Segundo fontes da categoria, vários guardas, inclusive da fiscalização, estão com a credencial de porte de arma funcional vencida, o que seria impedimento para usar a própria farda. Mas todos estão sendo obrigados a cumprir a operação fiscalização sem que o comando atualize sua funcional, dizem. Durante a manhã de quarta-feira ocorreu na região central da cidade de São Paulo uma manifestação com a paralisação de 100% do efetivo de guardas da fiscalização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.