Termina motim em Bangu III

Terminou por vota das 9h30 desta manhã a rebelião no presídio Bangu III. Os presos libertaram dois reféns, que não foram feridos, e entregaram as armas aos agentes penitenciários. Cinco presos foram baleados, mas não estão em estado grave. A rebelião começou na noite de ontem, depois de uma tentativa de invasão para libertar os traficantes Isaías do Borel e Aldair da Mangueira. A governadora Benedita da Silva está reunida com a cúpula da segurança no Palácio Guanabara para discutir as medidas que tomará após uma série de ataques de bandos armados pela cidade durante esta madrugada. Agentes do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe) informaram que os presos planejavam fugir explodindo a parede dos fundos do presídio. Com eles foram encontrados explosivos, fuzis e pistolas. Segundo o agente Márcio Grandini, do serviço de operações internas do Desipe, a tentativa de fuga ocorreu no momento em que um comboio do Desipe chegava. Houve troca de tiros, mas ninguém ficou gravemente ferido. A ação de ontem foi orquestrada por presos do Comando Vermelho. Bangu III tem hoje 890 presos, número inferior a sua capacidade.Aldair da Mangueira foi um dos 14 presos resgatados da carceragem da sede da Divisão de Captura e Polícia Interestadual (Polinter), na zona portuária do Rio, no final de outubro do ano passado. Em uma ação audaciosa, comparsas do bandido derrubaram uma das paredes da carceragem com duas carretas e arrebentaram o cadeado de uma cela, possibilitando a fuga.Madrugada violentaOntem, bandidos também metralharam o Palácio Guanabara, sede do governo estadual, atiraram contra um carro da PM no Catumbi, alvejaram um carro da Polícia Civil em São Cristóvão, jogaram uma granada na entrada do shopping Rio Sul, em Botafogo. Ninguém ficou ferido. A 6ª DP (Cidade Nova) também foi alvo dos criminosos. A delegacia fica ao lado do Batalhão de Choque da PM, onde estão presos os traficantes Fernandinho Beira-Mar e Elias Maluco, que comandaram a rebelião em Bangu I.Na série de episódios violentos, um policial civil morreu e outro ficou ferido. O inspetor da Polícia Civil Roberto Santana da Rocha foi morto quando uma patrulha da 17ª DP (São Cristóvão), zona norte, que fazia ronda nas proximidades do Campo de São Cristóvão foi atacada a tiros por bandidos. Na ocasião, o também inspetor Nildo dos Santos ficou gravemente ferido. Ele está internado no Hospital Souza Aguiar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.