Termina perícia em destroços de bimotor que caiu em MG

De acordo com a PM, o avião estava em processo de pouso quando teve falha; testemunhas afirmam que aeronave sobrevoava região há algum tempo

Gheisa Lessa e Mariana Durão,

28 Julho 2012 | 15h27

São Paulo, 28 - Às 13h30 deste sábado, 28, cerca de 5 horas após a queda do avião bimotor em Juiz de Fora (MG), os corpos das vítimas foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade. Ainda às 15h, uma equipe da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) realizava perícia nos destroços do avião, após o término da análise a Polícia Civil e da Polícia Federal.

De acordo com o capitão da Polícia Militar de Minas Gerais, Rubens Valério, o bimotor estava em procedimento de pouso quando deve ter apresentado uma falha e caiu. Testemunhas afirmam que a aeronave sobrevoava a região há algum tempo. Em queda, o modelo chegou a colidir com um quiosque de uma pousada da região, mas nenhum hóspede foi atingido. Ao cair, em uma região de mata fechada, o avião explodiu.

O avião bimotor, modelo B-200 GT prefixo BY-51, caiu a um quilômetro da pista de pouso do Aeroporto Serrinha, na região da mata de Minas Gerais. As oito pessoas que estavam a bordo da aeronave não sobreviveram à queda.

A bordo estavam o presidente da Vilma Alimentos, Domingos Costa, acompanhado de seu filho Gabriel, que não teve idade informada, o vice-presidente da empresa, Cesar Tavares, além da gerente de Recursos Humanos, piloto e copiloto do avião. A Vilma Alimentos não soube dizer de quem seriam os outros dois corpos encontrados pelas autoridades. De acordo com a polícia todos os corpos foram identificados, mas não há registros dos nomes das vítimas.

O bimotor, que pertence à empresa Vilma Alimentos, decolou do Aeroporto da Pampulha, por volta das 7 deste sábado. A Infraero da Pampulha afirmou que por se tratar de um voo privado não teve acesso aos detalhes da viagem. O destino da aeronave era Juiz de Fora, onde os empresários da companhia alimentícia participariam de um evento.

A ocorrência da queda do avião foi registrada pelos bombeiros por volta das 8h11. Cerca de 20 agentes e seis viaturas dos bombeiros foram ao local para resgatar as vítimas. De acordo com os bombeiros, os corpos foram encontrados mutilados e carbonizados. As causas do acidente só poderão ser identificadas após perícia da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.