Termina rebelião de menores infratores de Cariacica

Unidade para adolescentes sofreu outro motim que durou 19 horas em novembro do ano passado

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

06 de maio de 2010 | 06h12

Durou cerca de seis horas uma rebelião de jovens infratores no interior da Unidade de Internação Socioeducativa (Unis), em Cariacica (ES), na Grande Vitória. Em novembro de 2009, outro motim já havia ocorrido na mesma unidade.

 

Um efetivo de quase cem policiais do Batalhão de Missões Especiais (BME) cercava o prédio por volta das 17 horas de quarta-feira, 5, meia hora após o início do motim, no qual dois agentes socioeducativos feitos reféns. Um deles, Paulo de Jesus Silva, de 38 anos, chegou a ser enrolado em um colchão e foi agredido pelos adolescentes.

 

No motim promovido pelos adolescentes, também foi ateado fogo em colchões, madeiramento e tecidos, formando fogueiras da unidade, localizada no bairro São João Batista. Pedras foram atiradas contra os policiais que estavam em frente ao prédio. Alguns veículos, entre eles uma viatura da PM, foi atingida. Bombas de gás lacrimogêneo foram usadas para dispersar os jovens.

 

Por volta das 22h30, os internos liberaram os reféns e resolveram encerrar a rebelião. Ao amanhecer desta quinta-feira, 6, será feita uma recontagem dos jovens. Há suspeita de que pelo menos cinco deles tenham fugido, a maioria num tumulto, que, segundo a PM, teria ocorrido bem antes, às 9 horas.

 

Outro motim

 

Em 17 de novembro do ano passado, outro motim já havia ocorrido na mesma unidade, mas, na ocasião, durou 19 horas. Os adolescentes reivindicavam visitas íntimas e exigiam a liberação de alimentos trazidos por familiares dentro dos chamados "malotes". A rebelião teve início quando integrantes da banda de congo "Amores da Lua", todos idosos, participavam de uma confraternização do Dia Nacional da Consciência Negra.

Tudo o que sabemos sobre:
rebeliãoCariacica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.