Termina rebelião de presos em presídio na Grande Recife

Depois de seis horas, terminou, no final da noite deste domingo, 11, na cidade de Abreu e Lima, a 20 quilômetros da capital pernambucana, na Grande Recife, a rebelião dos presos do Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel).O complexo prisional foi cercado por policiais militares às 17h30, no final do horário de visitas, momento em que se iniciou o motim, logo após uma briga entre detentos do pavilhão B. Quatro deles foram tomados como reféns e ameaçados pelos rebelados, armados de facas. O motim só terminou às 23h30.Além dos detentos, três mulheres, parentes dos presos, também ficaram retidas na carceragem e não puderam sair após o encerramento das visitas. Todas foram liberadas sem ferimentos. Os detentos exigiam a saída do atual diretor da unidade, o major Benjamim Veloso, e mudanças na infra-estrutura do complexo, cuja carceragem, de 64 celas, foi feita para 311 detentos, mas atualmente abriga 830 homens.Após a rebelião, o secretário executivo de Ressocialização, Humberto Vianna, afirmou que o major Benjamin está deixando o cargo para que assuma nesta segunda-feira o coronel Ari Virgílio Falcão, mas negou que a saída do major tenha ocorrido em razão do motim. Segundo Viana, o major já havia sido exonerado na última sexta-feira.Um total de 35 policiais militares segue no entorno do complexo prisional para evitar fugas e garantir a segurança do Cotel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.