Termina rebelião em Hortolândia com liberação de reféns

Após quatro horas de negociação, os detentos da Penitenciária 3 de Hortolândia, no interior de São Paulo, libertaram os quatro agentes penitenciários que ainda eram mantidos reféns às 9h45 e terminaram a rebelião, iniciada por volta das 5h30 desta quarta-feira, 4. Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), um detento atingido por um tiro na perna foi socorrido. Nenhum refém ficou ferido.O grupo de detentos que fizeram a rebelião foram isolados em uma cela da penitenciária. Com eles, foram apreendidas uma pistola 635 e um revólver 32. Segundo a SAP, será aberta uma sindicância para apurar como as armas entraram no presídio.A rebelião começou após uma tentativa de fuga frustrada de dez presos. Seis agentes penitenciários conseguiram impedir a fuga e foram mantidos reféns durante o motim. Dois deles foram liberados durante as negociações. A Penitenciária 3 de Hortolândia tem capacidade para 750 detentos, mas atualmente está superlotada, recebendo 1.403 presos. A unidade é uma das seis que compõe o Complexo Penitenciário Campinas-Hortolândia que abriga 7 mil presidiários. Matéria atualizada às 14h45

Agencia Estado,

04 de outubro de 2006 | 10h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.