Termina rebelião em penitenciária de Martinópolis

Após 43 horas de tensão terminou nesta sexta-feira a rebelião no presídio de Martinópolis. Inicialmente 32 agentes penitenciários e dois advogados foram feitos reféns. A liberação dos reféns ocorreu gradativamente com o andamento das negociações. No final, restavam 19 reféns, sendo 18 agentes e uma advogada. Alguns presos foram transferidos para a penitenciária de Presidente Bernardes, para amenizar o problema de superlotação. Dois presos aidéticos, que estariam em estado terminal, acabaram sendo conduzidos a um hospital não revelado pela direção do presídio e nem pela polícia. O motim começou às 15 horas de quarta-feira após o impedimento de fuga em massa, por um túnel escavado numa das 33 celas que comportam quase 800 presos e estavam com 350 a mais. A Polícia Militar manteve um forte esquema de segurança ao redor do presídio durante todo tempo. Assim que terminou a rebelião, o pelotão de choque entrou na penitenciária para uma vistoria e contribuir com o serviço dos agentes penitenciários no restabelecimento da ordem. Durante o motim, para exigir a religação do gás de cozinha na hora do almoço de ontem, os presos ameaçaram jogar um agente de cima da caixa de água, a cerca de dez metros de altura. Ninguém saiu ferido e não houve destruição do patrimônio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.