Termina rebelião em presídio de João Pessoa

Terminou no início da manhã uma rebelião de presos do Complexo Penitenciário Silvio Porto, em João Pessoa. A rebelião foi controlada com a entrada da Tropa de Choque da Polícia Militar, depois que a juíza das Execuções Penais, Maria das Neves do Egito, concordou em atender as principais exigências de cerca de 200 rebelados.A rebelião começou por volta das 3 horas da madrugada de hoje, quando presos do pavilhão 17 exigiram a volta do antigo diretor, o capitão da Polícia Militar Lívio Sérgio, transferido para o presídio do Roger, na zona norte da cidade. Depois de colocarem fogo em colchões e quebrarem todas as grades do pavilhão 17, os detentos dos outros pavilhões aderiram o movimento.Eles exigiam a saída do diretor, Adamar Lívio, que assumiu o cargo há quatro dias, e a revisão das penas. O complexo possui 630 presos, uma parte com segurança máxima. Eles pedem melhoria na alimentação, banho de sol até às 13 horas, revisão de processos, transferência de presos para comarcas de origem e a liberação de cultos evangélicos e católicos. Mas de acordo com a juíza, "o capitão não volta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.