Termina rebelião em presídio de Minas; reféns são libertados

Após 30 horas de rebelião, os presos da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana da capital mineira, chegaram a um acordo com a Polícia Militar e libertaram, no final da tarde, os sete agentes penitenciários que eram mantidos como reféns. Os agentes não sofreram ferimentos graves. De acordo com a PM, policiais militares, acompanhados de representantes do Ministério Público Estadual, iniciaram uma vistoria nas celas e dependências do Pavilhão 4, onde ocorreu a rebelião. O coronel Reinaldo Martins, comandante de Policiamento da Capital disse que na segunda-feira uma comissão, que será formada por dois representantes de cada pavilhão do presídio, se reunirá com a direção da Nelson Hungria e com representantes do Ministério Público. Durante o motim, os detentos denunciaram que estão sofrendo maus tratos.Segundo o coronel, a suspensão das visitas íntimas - que teria sido o estopim da rebelião - continua. A Secretaria de Defesa Social informou que não haverá transferência de detentos para outros pavilhões e será feito um mutirão para rever os processos penais dos presos. Alguns reféns foram agredidos pelos amotinados durante a rebelião - que teve início por volta das 13h de ontem. Depois de serem libertados, eles passaram pelo serviço médico do presídio e foram liberados. Este foi o quarto motim somente este ano na Nelson Hungria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.