Termina rebelião na Febem de Franco da Rocha

A rebelião iniciada no sábado à noite pelos internos da unidade da Fundação Estadual para o Bem Estar do Menor (Febem) de Franco da Rocha terminou neste domingo, por volta do meio-dia, com a libertação dos seis funcionários que foram mantidos reféns por cerca de 14 horas e o controle total da situação nas dependências dessa unidade.Segundo informações da assessoria de imprensa da Febem, a situação foi controlada a tal ponto que a vistoria no local foi feita pelos próprios funcionários da instituição e não pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar, conforme estava previsto. Durante a rebelião, cerca de 100 policiais da tropa de Choque do 3º Batalhão da Polícia Militar ficaram de prontidão para invadir a unidade, caso fosse necessário. A invasão, porém, não foi necessária em razão do controle da situação.Assim que a rebelião terminou, a direção da Febem telefonou para o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para informá-lo. Alckmin, que está em campanha para o governo do Estado, estava em visita à Feira Agropecuária e Industrial (Fapija) na cidade de Jacareí, no Vale do Paraíba, em São Paulo.A assessoria de imprensa da Febem informou, ainda, que um dos monitores que foram mantidos reféns, por cerca de 100 menores rebelados, sofreu uma crise renal após ser libertado e teve de ser internado em um hospital da região. Segundo a assessoria da instituição, o funcionário já está passando bem.No sábado à noite, os internos das alas 25 e 29 tentaram fugir, mas foram cercados por viaturas dos Bombeiros e equipes do 26º Batalhão da PM. Com a fuga frustrada, eles começaram a rebelião, ateando fogo a colchões e cobertores. Os menores exigiam melhoria na alimentação, o direito a visitas para internos da Baixada Santista e Interior e mais rapidez na revisão dos processos. As visitas de hoje à Febem foram suspensas em decorrência do motim. Familiares dos menores permaneceram à frente do complexo, situado no bairro de Pouso Alegre, na Grande São Paulo, à espera de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.