Termina retirada de dados das caixas-pretas do Boing 737-800

O conteúdo das caixas-pretas do Boeing 737-800, da Gol Linhas Aéreas, e do jato Legacy, da ExcelAir, já foi transferido para os computadores do Conselho de Segurança dos Transportes do Canadá, em Ottawa. As caixas-pretas chegaram do Brasil na quinta-feira, levadas pelo coronel Rufino Antônio da Silva Ferreira, presidente da comissão que investiga a tragédia do vôo 1907. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a decisão de enviar as caixas-pretas para Ottawa foi tomada porque o Canadá é considerado país neutro. Pelo fato de o Boing e o Legacy serem novos, as caixas-pretas são equipadas com discos rígidos semelhantes aos de um computador, o que agiliza a transferência de dados.A informação de que a operação foi realizada com sucesso foi confirmada nesta sexta-feira por Nick Stoss, diretor do Departamento de Investigações Aéreas da agência canadense. É ele quem coordena a recuperação dos dados das caixas-pretas dos dois aviões. Esse trabalho foi encomendado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). "O fim da transferência dos dados terminaria nesta sexta-feira à tarde", confirmou Nick Stoss, em entrevista exclusiva à reportagem do Estado, em Ottawa. Além do coronel Rufino Antônio da Silva Ferreira, presidente da comissão que investiga a tragédia do vôo 1907, vieram a Ottawa representantes da Boeing e da Embraer. Ainda segundo Nick Stoss cabe agora às autoridades brasileiras decidir o que fazer com o conteúdo das caixas-pretas. Isto é, analisá-lo no Canadá ou levá-lo de volta ao Brasil. "Essa decisão ainda não foi tomada", concluiu Stoss. Como o coronel Rufino Ferreira só deve voltar ao Brasil no começo da semana que vem, provavelmente os dados das caixas-pretas serão analisados na capital canadense. Militares que realizam as buscas encontraram hoje a base do cilindro de voz da caixa-preta, que contém a gravação das vozes da cabine do Boeing 737-800, o que indica que a peça deve estar por perto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.