Termina seqüestro mais longo de Campinas

O empresário Cláudio Mendes Terzi, de 32 anos, foi libertado nesta segunda-feira na cidade de Itu, depois de permanecer 58 dias em cativeiro. Foi o mais longo seqüestro registrado neste ano na região de Campinas. A família de Terzi é proprietária das empresas de transporte rodoviário Viação Limeirense e Viação Santa Cruz, ambas com instalações em Campinas, e de uma rede de supermercados em Limeira. Ele foi libertado após pagamento de resgate.A Polícia Civil, no entanto, não divulgou o valor pago aos bandidos.MaltratadoSegundo informações de pessoas que acompanharam o caso, Terzi foi bastante maltratado no cativeiro. Os seqüestradores chegaram a mandar uma fita de vídeo para a família, na qual cortavam a orelha do empresário, reproduzindo a situação da qual foi vítima Wellington de Camargo, irmão de Zezé di Camargo e Luciano, a dupla sertaneja.Wellington também permaneceu um longo tempo no cativeiro e teve sua orelha cortada e enviada como prova à família.A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Campinas não confirma a existência da fita de vídeo, nem detalha o estado de saúde de Terzi. Logo depois de libertado, ele foi levado para o hospital de Poços de Caldas, em Minas Gerais, onde a família vive.O delegado da DIG, Joel dos Santos, apenas comentou que o rapaz estava bastante debilitado e que foi um dos seqüestros mais complicados atendidos pela delegacia.ResgateSegundo Santos, os seqüestradores revelaram-se profissionais e em alguns momentos tornaram a negociação muito difícil. Terzi foi seqüestrado na manhã do último dia 5 de julho, em frente ao escritório das empresas da família, na Vila Padre Anchieta, em Campinas.O primeiro contato dos seqüestradores ocorreu apenas uma semana depois. No início, eles pediram R$ 700 mil, mas teriam reduzido o valor para R$300 mil. A polícia não confirma as cifras, a pedido da família.O empresário deverá ser ouvido pela polícia, que afirma ter informações sobre os seqüestradores.Até a tarde desta segunda-feira, no entanto, eles ainda não haviam sido localizados. Somente neste ano, 14 pessoas foram seqüestradas na região de Campinas.Família OliveiraWellington de Camargo havia sido seqüestrado pela família Oliveira, responsável por uma série de ocorrências na região de Campinas. Os membros da família, porém, foram mortos em confrontos com a polícia ou assassinados em prisões.Os policiais de Campinas não descartam que alguns seqüestros da região sejam obra de membros da quadrilha, ainda que os antigos líderes estejam mortos.

Agencia Estado,

03 de setembro de 2001 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.