Terminada a transferência de presos do Benfica, no Rio

Os 392 presos da casa de custódia de Benfica, no Rio de Janeiro, foram transferidos ontem pela manhã. A unidade, palco de violenta rebelião há três meses, foi esvaziada para abrigar o primeiro Centro de Observação e Reintegração Social do Estado, onde detentos que estão a 90 dias do fim do cumprimento da pena receberão tratamento especial para que se ressocializem. O comboio com os internos saiu de Benfica, na zona norte, às 11h30, e levou pouco mais de meia hora para chegar a Bangu 3, na zona oeste. Lá, foram deixados 300 presos. Os demais foram para Bangu 5 e para a casa de custódia de Japeri, na Baixada Fluminense. Os ônibus foram escoltados pela Avenida Brasil por carros do Batalhão de Choque da PM, da Polícia Civil e do Serviço de Operações Especiais (SOE) da Secretaria de Administração Penitenciária. Vagas - O centro oferecerá 810 vagas para quem está prestes a deixar o sistema. Os internos passarão por médicos, psicólogos, assistentes sociais e advogados e receberão orientações para conseguir ingressar no mercado de trabalho. A Justiça Terapêutica tratará dos dependentes de drogas - segundo informações do órgão, 40% dos presos que reincidem no crime têm envolvimento com entorpecentes. Em 40 dias, outros 90 presos já sentenciados deverão se revezar semanalmente na unidade, que também funcionará como ponto de triagem. Cada um irá para o presídio que mais se adequar à sua personalidade e ao crime cometido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.