Terreno invadido em Itapecirica deve ser desocupado

Policiais militares esperam receber das mãos do oficial de justiça, nesta quarta-feira, ordem de reintegração de posse, para a retirada de 2 mil pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) de uma área de 1,3 milhão de m², ocupada na última sexta-feira, 16, na divisa entre o bairro Valo Velho, na zona sul da capital, e a cidade de Itapecerica da Serra.Localizado na Estrada de Itapecerica, o terreno, que pertence à Golf e Urbanização e está avaliado em mais de R$ 40 milhões, era do Frigorífico Eder. Para quitar uma dívida, a área foi repassada ao antigo Banco Noroeste - que foi incorporado ao Banco Santander Banespa. Do total daárea, 1,150 milhão m² foi comprado pela Sociedade Itapecerica Golf e Urbanização, da qual o advogado Luiz Arthur Caselli Guimarães é sócio, com 20% de participação.Segundo Guimarães, parte da área ocupada está sendo desapropriada para dar lugar ao Rodoanel. Em outra parte do terreno, os proprietários e a Prefeitura de Itapecerica da Serra estudam construir um campo de aviação, que serviria como aeroporto alternativo para Congonhas e Guarulhos, além de instalar um terminal de ônibus. Dois dias após a invasão, as famílias construíram no acampamento uma creche, uma horta e banheiros coletivos.Cerca 300 integrantes do MTST estiveram na tarde de terça-feira, 20, na Câmara Municipal de Itapecerica, localizada no Largo da Matriz. Eles conversaram com o presidente da casa, o vereador Zé de Moraes (PSDB-SP), que se comprometeu a falar com o prefeito, Jorge José da Costa, sobre a construção de novas moradias populares na cidade.Durante a madrugada desta quarta-feira, apenas uma viatura da PM preserva a entrada principal do terreno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.