Tesoureiro do PT diz que pagou dívida com dinheiro emprestado

Na primeira entrevista como tesoureiro da campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prefeito licenciado de Diadema, José de Filippi Júnior, deu uma explicação singela para a origem dos R$ 183 mil com os quais pagou uma multa judicial, em dezembro de 2003: a generosidade do "tio Mário". Trata-se do comerciante paulista Mário Moreira, morador de Diadema e dono de um mercado na capital. Tio da mulher de Filippi, Inês Maria, o comerciante emprestou R$ 150 mil ao prefeito. "É o tio mais rico da minha mulher. Ele tinha uma poupança de quase R$ 400 mil e emprestou R$ 150 mil. Agora, (a dívida com tio Mário) já está em R$ 190 mil", disse Filippi.O tesoureiro afirmou ter tirado R$ 15 mil de recursos próprios. O amigo e deputado estadual petista Mário Reali emprestou mais R$ 10 mil. O restante foi obtido graças a contribuições de 28 amigos que, juntos, doaram R$ 6.900 e uma festa organizada pelo PT de Diadema em apoio a Filippi, onde foram obtidos mais R$ 1.400, segundo explicação do prefeito. Filippi mostrou os comprovantes de cada depósito feito em uma conta judicial, onde ficará o dinheiro até que o processo por improbidade, atualmente no Supremo Tribunal Federal (STF), seja concluído.MultaO tesoureiro explicou que pagou a multa imposta pela Justiça para conseguir a liberação de seus bens: "convivi um ano e meio com meus bens bloqueados pela Justiça. É um absoluto constrangimento, um transtorno". Em 1995, Filippi foi acusado pelo Ministério Público paulista de ter usado a publicidade oficial da prefeitura em benefício próprio e do PT. O logotipo trazia três estrelas e o slogan "Diadema, prefeitura municipal: cada dia melhor." "O Ministério Público entendeu que as três estrelas eram uma referência à terceira gestão seguida do PT em Diadema. Eu era o prefeito", disse Filippi, negando a acusação. "Não foi propaganda pessoal minha." A multa foi o valor calculado pela perícia técnica para o material usado na publicidade da prefeitura, como folhetos, outdoors e cartazes. Na época, a prefeitura também foi acusada de ter patrocinado outdoors e um show da CUT (Central Única dos Trabalhadores) em homenagem ao Primeiro de Maio. Segundo Filippi, a CUT provou na Justiça que usou recursos próprios e esta parte do processo foi encerrada. Paga a multa, o MP questiona agora a origem dos recursos, já que os R$ 183 mil são incompatíveis com a renda do prefeito. InvestigaçãoAssim como o presidente do PT, Ricardo Berzoini, Filippi estranhou que o MP só tenha decidido investigar a origem do dinheiro na semana passada, "dois anos e meio depois do pagamento". "Recebi na segunda-feira um ofício incompleto, com páginas faltando. Todas as explicações serão dadas, com os nomes de cada uma das pessoas que colaboraram para o pagamento da multa", disse o prefeito, eleito em 1992, em 2000 e reeleito em 2004.O empréstimo de tio Mário foi motivo de risos até de Berzoini, durante a entrevista dos dois petistas. "Pede ao tio Mário", brincou o presidente do PT quando o assunto era formas de arrecadação de recursos para a campanha do presidente Lula. Berzoini reiterou a "total confiança" em Filippi.Com outros dois ex-prefeitos de Diadema, Filippi é alvo ainda de uma ação do MP pela contratação sem licitação do escritório do advogado e deputado petista Luiz Eduardo Greenhalgh, entre 1983 e 1996, quando a cidade foi governada pelo PT. Os outros dois prefeitos já deixaram o partido: Gilson Luiz Menezes está no PCdoB e José Augusto Ramos no PSDB. " A lei 8666 (Lei das Licitações) permitia a contratação sem licitação. Ele (Greenhalgh) não ganhou supersalário, não houve recurso desperdiçado", disse o prefeito.Filippi também comentou o julgamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que considerou irregulares as contas da prefeitura de 2001 e 2002, por não cumprir a lei de aplicações mínimas em educação. "É o caso em que o tribunal está certo e eu acho que estou certo", resumiu o prefeito. Em vez de aplicar os 15% da receita tributária no ensino fundamental (1ª à 8ª série), como exige a lei, a prefeitura de Diadema aplicou apenas 8%. "Tínhamos uma liminar que permitia aplicação menores do que o exigido pela lei. Depois, a liminar foi derrubada. Mas Diadema tem uma tradição de aplicação no ensino infantil, para crianças de 0 a 6 anos, que considero essencial", defendeu-se Filippi. Na defesa do companheiro, Berzoini atacou o candidato do PSDB, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. "Se fosse para deixar a educação como Alckmin deixou em São Paulo, Filippi não estaria contribuindo para o Brasil", disse o presidente do PT.Matéria alterada às 19h30 para o acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.